Working man

Há meses atrás, eu estava ferrenhamente procurando um emprego. Visitei inúmeros sites de agências de emprego, inclusive até mandei currículo diretamente para as empresas de meu interesse. Depois de preencher formulários enormes em 3 sites, eu desisti de continuar procurando. Até que encontrei uma agência virtual bastante sábia (mas não me lembro mais o nome) que permitia “anexar” o currículo do LinkedIn na vaga pretendida. E fiquei pensando comigo mesma: porque diabos ninguém mais fez isso ainda?

Em toda minha vida profissional, sempre ouvi dizer que currículos precisam ser resumidos e conter somente informações relevantes. Partindo desse fato, eu acho o LinkedIn uma ótima ferramenta pra manter o currículo dessa maneira. Coisas como pretensão salarial e salários anteriores podem ser discutidos numa entrevista. Dados como CPF e RG só são relevantes na contratação. Dessa forma, não vejo a necessidade de exigir estes campos em um formulário. Aliás, as empresas deveriam abolir esse formulário gigantesco e pedir somente o LinkedIn do vivente. Muito mais prático e rápido, porque você preenche aquele formulário enfadonho apenas uma vez. E fazendo isso apenas uma vez, você tende a caprichar mais nas informações que estão ali.

As medias sociais (ou “xoxo medias“, como diria Azaghal) vieram pra ficar por um longo período na nossa vida virtual. Porque não aproveitá-las para relacionar-se com os demais habitantes deste planeta de forma diferenciada? Um perfil profissional e outros tantos perfis pessoais para satisfazer nossa necessidade de comunicação e interação social.

A forma como interagimos, atualmente, com sites é bastante breve. Poucos campos e poucos cliques nos separam de nosso objetivo. O tempo passa mais rápido na internet, portanto seria injusto manter o usuário mais de 5 minutos para preencher um monte de informações que nem sempre são relevantes, simplesmente para deixá-lo se candidatar para uma vaga de emprego. E o pior, ter que preencher esse formulários enormes em cada site de emprego é sempre chato e acaba fazendo com que muitos desistam da vaga. Ninguém quer ficar tanto tempo preso na mesma tarefa, principalmente os que viveram nos últimos 5 anos, onde a palavra de ordem é “produtividade”. Se a tarefa em questão te toma muito mais tempo do que deveria, ou ela é complexa demais e deveria ser quebrada em partes menores, ou ela é absolutamente horrorosa de se fazer. No caso dos formulários, eu fico com a segunda hipótese.

Fica aí meu desabafo e minha dica: aproveitem as facilidades do mundo moderno e agreguem as ferramentas que simplificam a vida das pessoas. Aumentem o número de canditados para vossas vagas de emprego (algumas eu vi que estão abertas há meses) e tratem de melhorar a forma como as pessoas interagem com vosso site. Reduzam, simplifiquem e mantenham somente o que for absolutamente relevante. Não sejam preconceituosos e permitam que nossa vida online seja mais fácil. Garantam informações sempre atualizadas e acuradas.

Permitam-nos usar o LinkedIn.

“I got no time for living, yes, I’m working all the time. Seems to me I could live my life a lot better than I think I am…”

Vida de Nerd – Escrevendo Textos…

Olá pessoal, sentiram minha falta???

Bom, para este suposto retorno vamos começar com um “for( , , ), ou uma pequena chamada recursiva, ou um while(true) ou o que você preferir. Ou quase isso, pois um for infinito possui a possibilidade de sair, usando um break. =P

De volta com o texto ao texto sobre texto (porra mais uma redundância! A volta da volta dos que não foram e já estão aqui!)!
Pois bem, normalmente tenho o hábito de escrever os textos para este blog em um caderno, papel, folha ou qualquer coisa que se possa riscar. Tá, quase isso, pois ainda não peguei nenhuma chave para sair escrevendo textos em carros por aí.

Como já fui “treinado” desde pequeno (por um rato mutante ninja) a me expressar no papel. Fazer o mesmo na tela do computador se torna mais complicado (nem tanto, nem tanto).

Primeiramente, no meu caso, me expressar num computador é mais complicado, pois normalmente programo, tiro um tempo de lazer além de passar um bom tempo nele. Isso faz com que eu já fique pronto para executar essas tarefas, já que são corriqueiras e tal. Bom, tudo depende do sistema operacional que uso. Mac OS se reflete a lazer, descanso ou trabalho de tecnologias novas, enquanto Windows se reflete a trabalho, uso normalmente de tecnologias pagas e mais antigas, e bla bla bla! (Por motivos obvios, claro!)

Um outro ponto é que a visualização de uma tela totalmente branca emitindo luz me deixa um pouco iritado, quando preciso usar a imaginação. (Ainda não joguei nenhum monitor pela escada ou janela. Me controlei um bocado para não fazer isso, mas não fiz! XD). Usar a imaginação não reflete na programação, pois fazendo tal coisa, meu cérebro trabalha de uma forma diferente.

Sempre que ligo o note para ver alguma coisa, é para ver alguma coisa, sempre tem algo para aprender, fuçar no sistema para aprender mais coisas dele, ler quadrinhos, ver seriados e infinitas coisas. É tanta coisa que acabo desviando a atenção para outras coisas e deixo de lado os textos.

Outro ponto que prefiro usar o papel é que fazendo isso, eu reviso e complemento o texto, nas partes que precisa, além de complementar com algum comentário ou uma piada.

Eu poderia sair bem louco falando todos os pontos a respeito dessas coisas, mas prefiro evitar a fadiga e como estou de férias (da aula pelo menos)!!!

Além disso, é claro que algo que não emite luz a noite enquanto você está com sono é bem mais prazeroso de se usar que ficar olhando para uma lâmpada fluorescente com letrinhas impressas. =P

Até mais e obrigado pelos peixes!!!

Vida de Nerd – Pogramando Nº3

Olá pessoal! Tudo certo?

Bom! Essa ano não pude ir ao FISL de Porto Alegre, por questão de tempo e financeira (como tempo é dinheiro, já fica tudo enquadrado na mesma coisa. =P). E juntamente com isso, não pude fazer alguns mini-cursos, ver algumas palestras bem instrutivas de uns cara meio fodas do Python, PHP (como se eu soubesse qualquer coisa dessas linguagens), do Ruby (o qual ando aprendendo a fuçar), entre muitas outras coisas. Além de muitas idéias de implementação que viriam a aparecer, caso eu fosse para lá. Como não fui, whatever!!!

Ainda ontem pela manhã, o pessoal que foi pra lá começou a falar de controle de versões, disso e aquilo. Alguns usam o CVS (Sistema de Controle de Versão), outros usam o famoso Git, do Pai dos Pinguins!

Analisando isso, acabei percebendo  que a forma que é usado aqui na empresa onde trabalho é o PASCOP – Pede para Alguém Salvar uma CÓpia do Programa. Onde quem normalmente faz esse tipo de coisa são os chefes, na hora de colocar os programas em manutenção. E só nessa hora. =P

E tu acha que tem problemas de versões ou coisas assim??? Não responda!!! Existem muitos pontos que são realmente muito bem organizados, para o tipo de uso que se tem. Mas possuem módulos que para se tornar uma zona, teria que organizar e muito! Pois bem, existem 4 ou 5 versões diferentes do mesmo programa em desenvolvimento.

O ambiente que uso? Uma conexão SSH, uma telinha preta e um editor limitado como o edit do Windows, por exemplo. Isso mesmo aquela coisa que os “entendidos” chamam de semi-gráfico. Mas que porra é essa de “semi-grafico”? Ou é gráfico ou não é! Ponto.

É nessa telinha preta de letras brancas que desenvolvo os programinhas em COBOL. Pior que o ambiente “Old School” de desnvolvimento, são os clientes que não sabem nem o que querem. Vivem pedindo alteração de software, isso e aquilo. Nem culpo os analistas, pois sei como é foda analisar uma coisa que está em constante modificação.

Por falar em análise, ontem ainda tive que dar uma boa força numa análise, pois um dos analistas não entendeu a minha linha de raciocínio a respeito do programa que estava me passando.

Não que seja minha função ter que analisar, mas tive que fazer, para melhorar minha vida, ou ia me quebrar para fazer como eles queriam! =P

Até mais!!!

Vida de Nerd – Pogramando

Olá pessoal!

Já fazia mais um bom tempo que não aparecia por aqui. Como padrão de sempre, estava me faltando tempo, criatividade e vontade (como sempre, ainda mais em período de férias =P).

Bem, vou comentar um pouco dos modos de programação que eu pessoalmente uso, algumas linguagens novas e umas doideras pessoais!
Quando estamos aprendendo a programar, somos aprendizes de programadores? Certo? Não! Na realidade somos aprendizes de gambers (aquele que faz gambiarras, funcionam, mas não da melhor forma). Quando estamos evoluindo nessa mesma programação, estamos nos tornando programadores? Quase, estamos melhorando a nossa técnica Gamber, ou simplesmente nos “Macgyverzando”. Depois de um tempo que realmente nos tornamos programadores  que realmente merecemos esse título!

Bom o Pogramador e o Gamber seriam a mesma coisa, mas esse segundo eu uso mais frequente por ser bem mais curto e por ser criação de autoria minha (acho, pois procurei no Google e não achei nada a respeito, então não existe)!

Mudando de assunto e se mantendo no mesmo assunto (se é  que isso é possível), vou comentar um pouco das linguagens que uso, que estou aprendendo e tal!

Então tá, vou citar um pouco das linguagens que já usei (ou que ainda uso) e um pouco das suas características! Bom, aprendi a pogramar no Delphi (não que me orgulhe disso, pois nunca me entendi com ela). Bom, assim que fui para a UCS, aprendi o bom e velho ( ou velho e não tão bom) português estruturado. O que me ajudou muito nesse ponto não foi a “linguagem” em si mas sim a lógica e dedicação empenhada nela (empenhado derivando de dedicação, não de ficar parado, preso e tal. Certo?).

Logo depois disso, fui para o Java. Uma linguagem bem trabalhosa de se lidar, linguagem bem temperamental, dificil de se lidar! Isso sem contar o cheio de manha, as vezes complica coisas fáceis e tal. Mas foi ele que melhorou muito o meu paradigma de programação, me abriu horizontes (no bom sentido). Esta foi uma das linguagens que dediquei mais tempo e paciência. Muita paciência!!! =P

Em seguida, aprendi a trabalhar com o bom velhinho. Não, não é o Papai Noel, eu falo do COBOL.  Aprendi ele na própria empresa onde estou trabalhando. Ele é antigo, mas bem bonzinho de se trabalhar, seu código é simples, mas não tão fácil de se entender de início. Se o Java tem manhas na programação, é que tu não conhece o COBOL. Sua programação é lenta,  além de tudo, no modo de programação dele, tem-se que ficar cuidando das colunas que se está trabalhando. Comentários nele? Simplesmente desprezíveis. Comentar código é horrível. Tem sempre que criar uma nova linha e colocar um “*” na coluna 7. Comentar na mesma linha? Impossível. Isso que nem comentei muita coisa do COBOL, como segunda parte do comando na coluna 40, declaração dos processos na coluna 8, comandos simples na coluna 12, … Aaaaahhhhh, já tinha me esquecido do nosso COBOL com interface gráfica!!! Simplesmente terrível trabalhar com aquelas 12 dúzias de bibliotecas!

Meu objetivo não é ensinar programação. Para isso existem centenas de sites por aí para isso. Eu só fiz uma pequena análise pessoal a respeito delas.

Bom, logo estarei de volta!

Até mais!!!

Vida de Nerd – Melhor Windows (ou não)!!!

Como havia prometido no post anterior, eu iria dar uma olhada no que alguns dos nossos leitores pesquisam no que chamamos de motores de busca para ver o que poderia postar. Bem, pensando em vocês (ou não), decidi fazer sobre uma coisa que eu tinha vontade de fazer, e já faz um tempo, mas que a preguiça não me deixava, que era a respeito daquele sistema operacional (alguns dizem “não operacional”), mas que seja, vou falar dele da mesma forma. Vou fazer uma certa análise e escolher entre os melhores windows já feitos até hoje. Bem, como isso vai da minha opinião pessoal, já vou avisar que pode haver desavenças, diferenças de opinião e etc… Mais um aviso, não vou comentar de outros sistemas aqui. Vou fazer um outro post para isso, mas não pra logo, além de uma análise detalhada de cada um dos sistemas.

Bem, começando a falar do Windows, esse num geral é um ótimo sistema para se usar, tanto em uso profissional quanto pessoal. Tem a grande vantagem de possuir uma compatibilidade incrível (justo, sabendo da grande fama dele e de todo o marketing que envolve o mesmo), um desempenho bom, dependendo da sua versão, é claro e muito mais coisas que vou comentar aqui, ou outras que vou deixar para os outros posts.

Iniciando, vou comentar dos três últimos Windows que saíram, pois além de estarem bem populares entre os computadores pessoais, são os de meu maior conhecimento (alguns deles), além de alguns ainda terem suporte da própria Microsoft.

Vamos começar a análise, dos três últimos sistemas (XP, VISTA e SEVEN), em sua ordem cronologia de “nascimento”.

Bem como usei e ainda uso o XP, posso explicar bastante coisas a respeito desse sistema, mas não vou me estender muito para não ficar uma análise mais pobre a respeito dos outros sistemas.

Começando pela interface gráfica, o que é a primeira coisa que o pessoal vê quando entra nesse sistema (e qualquer outro, exceto o DOS e UNIX, hehehe). O Windows XP possui uma interface que de certa forma pode-se dizer que seja “amigável”, pois estamos contando que o sistema já possui quase 10 anos, então nesse ponto podemos dar um desconto para esse bichinho. Onde ele perde em interface, ele ganha em desempenho e facilidade de configurações, pois a posição de seus comando ficam de fácil acesso, possui o famoso sistema NNF (next – next – finish) e caso não se consiga alguma coisa, existe uma documentação imensa na internet, para qualquer coisa que se deseje fazer nesse sistema. Algumas empresas optam por usar ele por ser mais leve e mais rápido que os demais, além de ser compatível com muito mais computadores que os outros 2 sistemas que vou comentar mais adiante. Um dos fatos dele ser compatível assim é porque ele é mais antigo, portanto as maquinas possuíam recursos mais baixos que hoje em dia.

Algumas das desvantagens desse sistema é a parte da segurança, pois a Microsoft já deixou de dar suporte à esse sistema, e portanto, logo a tua segurança vai pro brejo, se torna obsoleta e sem atualizações ele fica vulnerável.

Para não me estender muito, vamos comentar do Vista de uma vez. Estava afim de sentar o pau em alguém, e esse foi o escolhido. =D

Usei pouco, bem pouco essa bodega que o pessoal tentou fazer e insiste em chamar de Sistema Operacional. Pelo pouco que mexi nesse sistema, foi o suficiente para me dar dor de cabeça e me estressar. Estamos falando de cerca de 15 minutos no sistema.

Em relação à sua interface gráfica, quando foi lançado era um dos visuais mais bonitos que se tinha, mas isso tinha um preço, e bem alto. Queda de desempenho, pois isso fazia com que o sistema ficasse pesado, lento em muitas vezes. Para rodá-lo em perfeitas condições, seria necessário uma máquina muito boa (que o pessoal não tinha condições de comprar na época). Hoje ele se torna bem melhor de se trabalhar, mas não é aquilo que eu diga “que sistema bom”. Ele teve algumas melhorias em relação ao XP, mas este estava mais vivo do que nunca. As configurações do Vista são muito chatas, ele fica pedindo confirmação até para mexer o mouse, além de algumas outras coisas. O posicionamento das configurações, o acesso à elas é um pouco mais complicado (talvez por ser, de certa forma, diferente do XP que eu estava acostumado), mas nada que seja impossível. Teve algumas atualizações que deixaram-o mais rápido e mais seguro. A Microsoft continua com o suporte a esse sistema, mas não sei até quando.

Com o Seven não mexi muito mesmo, quase nada. A análise vai em base do que li e do que o pessoal comenta por aí. Bem, o visual do Seven é indiscutível, possui uma beleza tão quanto, se não for maior que a do Vista, possui um “dock” na sua base para acesso aos programas meio que ao estilo Mac OS, mas com algumas diferenças. Em questão ao posicionamento das configurações do mesmo, fica num meio termo entre XP e Vista, e as configurações são bem equivalentes a não ser melhor que do Windows XP. Em questão de desempenho do sistema, o Seven está bem “dotado” nesse quesito, pois está bem mais compatível que o Vista e muito mais seguro que o XP. Pois está com sua base mais atualizada.

Se fosse escolher hoje um windows para usar em meu computador, com um computador compatível aos padrões atuais, eu escolheria o Windows Seven por estar mais atualizado, com uma interface bela e bem costumizável. Possui grande compatibilidade (já usei demais essa palavra por hoje? Cansei!!!), assim como o XP. Mesmo com alguns pequenos problemas que esse sistema possui, se torna bem confiável (aos padrões de hoje), fácil de se mexer. Acho que esse sim vai conseguir substituir o XP. Ele conseguiu resgatar parte do “brilho” que veio junto com o XP.

Bom, como já disse lá encima, logo vou fazer algumas análises mais a fundo de cada um dos sistema, e portanto vai complementar esse texto aqui, para entender melhor o que quis dizer.

Espero que tenham gostado!

Até a próxima, pessoal!

Vida de Nerd – Suporte

Olá pessoal, já faz um tempinho que não postava nada nessa bodega (agora fui liberado de chamar essa bodega de bodega).

Bom, como ando postando coisas a cada morte de bispo, brigando com os prazos da faculdade e da empresa (o que acontece, inconscientemente, sempre), mas vamos ao texto. Vou dar uma acompanhada nos nossos “motores de busca” para criar uma coisa mais específico para vocês. Alguma coisa personalizada, porque sabem que gosto de todos os meus leitores.

Bom, estava dando uma das minhas voltas pelos clientes (o que não é muito constante, ainda bem). Em uma dessas, saímos da empresa para ir no cliente às 11:30, para ir trocar o servidor desse cliente. Já sabemos que esse tipo de coisa leva um tempo, além das complicações normais das trocas desse tipo de máquina. Depois de tudo feito com sucesso, estávamos voltando, ali pelas 15:00 e resolvemos achar algum lugar para almoçar (como diz o ditado: “saco vazio não para em pé). No meio dessa procura, como já comentei, eram 15:00 e certamente não existia nada ou quase nada aberto. O chefe ficou putaço porque não tinha nada aberto naquela hora. Por quê será? Bom no fim comemos um pouco de qualquer coisa e voltamos ao trabalho “normal”.

Em um outro dia, fomos a um outro cliente, para resolver uns 2 problemas e a chefa logo começou a criar outros para serem resolvidos. Enquanto estava resolvendo (ou pelo menos tentando um problema) um problema, a chefa ficava enchendo o saco ao meu redor. Parecia que estava fazendo a dança da chuva, parecia um Pagé. Para conseguir resolver o problema liguei o meu “foda-se”. Ou simplesmente aquela clássica ligação direta entre um ouvido e outro. Para isso, resolvi rapidinho.

Nesse mesmo local, onde agente aguardava que nos trouxesse uma máquina que deveria ser formatada, isso tirando as 2 vezes que a pessoa teve que fazer o trajeto para pegar a máquina, onde a primeira vez foi apenas para buscar a chave. Enquanto isso, a chefa ficou tomando cafezinho, andando pra lá e pra cá e de vez em quando dando um treinamento relâmpago (aquele em que só se torna visível quando o se tem a explicação fresca, logo após isso tudo torna obscuro novamente). Ainda assim, a chefa me chamou e disse: “Olha que café bom, é melhor que o nosso”. Tive que me segurar MUITO para não falar que qualquer coisa é melhor que o nosso café, qualquer coisa. Pois olha, se tu tomar um copo daquele café, tu fica acordado uns 2 ou 3 dias.

Em um outro dia desses, um cliente liga pedindo ajuda, e como sempre o colega pegava para dar o tal suporte. Como seria necessário configurar o terminal remoto para conexão ao servidor, e para isso seria necessário pegar o nome da máquina para essa configuração. Esse colega pergunta o nome dessa máquina e surpreendente vem a resposta: “O nome da máquina é Piriquito!”.

Por motivos óbvios me estourei de dar risada disso, e o colega ficou putaço. Trabalhar com essas empresas pequenas, muitas vezes é uma diversão. Como diz o outro ditado “agente se fode mas se diverte”.

Até mais, e dessa vez, espero que seja logo!!!

Entardecer no trabalho

Aqui eu consigo capturar umas boas fotos do pôr do sol.

Nada como uma neblina no final da tarde pra produzir um sol rosa choque.

Acho que todos perceberam que a foto é tirada com celular, portanto, não serve de wallpaper que não seja de…celular =P